AV - Capitulo 5

Depois de sugar o sangue de Isabella quase que totalmente, Edward afastou seu rosto para olhá-la. Swan estava com o corpo mole, nos braços do vampiro. Seu pescoço latejava de dor.

- Doce... bem doce... - ele falou limpando a boca.

Ela não conseguia pronunciar nenhuma palavra, devido a tontura que sentia e a fraqueza de seu corpo. Ele apoiou-a no seu corpo e continuou andando com ela.

- A... menina... - Swan apontou a criança.
- Eu disse que não.
- Mas...
- NÃO! - ele rosnou. - Se insistir, eu mato a garota.
Eles se afastaram da criança, que ficou sentada no mesmo lugar, com o corpo morto do lado.

- Sabia que não devia ter te mordido! Agora tenho que carregar um peso.
- Eu... não peso... muito.
- Você que pensa! - ele deu uma levantada nela, que já escorregava dos seus braços.

Isabella começou a chorar e Edward se irritou com aquilo. Ele parou, encostando-a na parede e levantou seu rosto, estupidamente, segurando forte no seu queixo.

- O que é agora? - ele perguntou com a voz rouca.
- Nada. - ela gemeu.
- Ótimo! Só me falta agora você estar com aquela droga... - Edward olhou para o alto, pensando. - Como é mesmo o nome? TPM?

Isabella chorou mais ainda quando ele terminou de falar. O medo misturado com a revolta e repulsa que ela sentia dele, eram grandes demais. O vampiro estalou os ossos do pescoço e agarrou forte a garganta dela, deixando Swan sem ar.

- Me... solta. - ela implorou, agarrando a mão dele.
- Pare de chorar!
- Mmmm.
- Acho que estamos entendidos, certo?

Ele a soltou, deixando-a cair lentamente no chão, sem forças. Edward voltou a andar pelo corredor, procurando mais presas
No mesmo instante, uma pessoa dobrou a curva no corredor e deu de cara com eles. Era um homem magrelo e aparentemente, medroso, que mijou nas calças ao olhar Edward cara a cara.

- Eu... - o homem deu um passo para trás.
- Você...? - Edward sorriu, lambendo os lábios superiores. Ele olhou para Isabella no chão. - Viu como tenho sorte? Nem preciso procurar muito.
- Corra! - Swan falou sem forças.

O homem tentou se mover para correr, mas o vampiro logo segurou-o com as duas mãos pelos ombros e puxou para junto de si. O homem socou o peito de Edward, sem surtir nenhum efeito e o vampiro empurrou a cabeça da vítima para o lado, cravando sem piedade suas presas em sua pele.

- Pare... - Isabella pediu.

O vampiro 6 fazia estrago no homem, diferentemente do que fez com Swan. A ferida era bem maior, arreganhada, de onde o sangue jorrava forte. Edward sugava com vontade o sangue espesso da vítima que se debatia em seus braços. Isabella via o sangue fluir pouco agora, e o vampiro soltou devagar o homem, quebrando seu pescoço em seguida.

- Não! - ela gemeu, virando o rosto.
- Estou satisfeito, podemos voltar. - ele levantou-a pelo braço.
Os dois saíam agora pelo mesmo lugar que entraram, indo em direção a escada.

- Qual sua idade? - ele perguntou curioso.
- 25. A sua?
- Não estamos conversando, Dra. Swan. - ele falou com sarcasmo.

Isabella sentia que já recuperava um pouco as forças e se soltou dele, ajeitando sua roupa e ficando ereta, andando ao seu lado.

- Imagino que você deva ser bem velho. - ela não teve resposta e continuei monologando. - Tipo daquelas raridades de museu mesmo.

Edward parou, imóvel e fechou os olhos. Swan já começava a sentir um pouco de dor de cabeça por causa da luz vermelha piscante. O vampiro empurrou ela contra a parede e a olhou sério.

- Fique calada.
- Por que?

Ele rosnou e tapou a boca de Swan com a mão. Um barulho vindo lá de baixo ecoou e o coração da humana bateu forte. Edward ouvia os batimentos e a olhava, observando aquela reação dela. Ele encostou em seu corpo, sussurrando no seu ouvido.

- Se eu ouço seus batimentos, o que está vindo aí também ouve.

Nos olhos de Swan ele via pavor agora. Medo. Coração mais acelerado e respiração ofegante.
Ele respirou em sua pele, seu hálito frio a tocando. Edward sentia um deles se aproximando, sendo atraído pelo coração estúpido da humana.

- Ele está 5 andares abaixo de nós. Tentarei algo. - o vampiro sussurrou.

Ele levou a mão ao pescoço dela e massageou pontos exatos, fazendo Swan amolecer aos poucos e fechar os olhos. O coração foi desacelerando por ela estar relaxada e então ele parou.

- Vamos.

Edward puxou-a pela mão e desceu rápido os 2 próximos andares, entrando pelo salão principal.

- O que... você fez? - Isabella perguntou, ainda tonta.
- Te dei uma bela massagem.
- Sério...
- Cala essa merda dessa boca! Será que você consegue? - ele a sentou numa cadeira e puxou-a para perto dele. - Veja bem, eu não preciso de você. - Edward apoiou as mãos nos braços da cadeira. - Portanto, posso te largar aqui a qualquer momento.
- Não. Por favor. - ela segurou suas mãos e ele as puxou de volta.
- Então pare de gastar saliva à toa.

A porta se abriu e um loiro pálido apareceu sorrindo. Edward levantou em posição de ataque e o olhou sério.

- Damien.
- Edward. - o loiro olhava a humana sentada atrás do vampiro 6.
O loiro deu alguns passos na direção deles. Edward fez o mesmo, deixando Isabella mais atrás. Os rosnados soaram alto, em guerra.

- Alimento particular, Edward?
- Sim.
- Não podemos dividir? - Damien passou a língua no canto da boca. - Seu coração é tão... delicioso...
- Eu vi primeiro, portanto, afaste-se.

Edward pensou em por qual motivo ele estava defendendo a humana fraca. Não conseguia achar nenhuma teoria plausível. Mas de qualquer jeito, vampiros eram territorialistas, e ali, ela estava com ele, o que o fazia protegê-la com unhas e dentes.

- Não vou tirar pedaço, Edward... - o loiro sorriu e Edward rosnou. - Tudo bem, deixe estar. Talvez eu os encontre de novo por aí. Ou quando ela estiver só. - Damien inclinou a cabeça de lado para olhar Swan, piscando para ela.

O loiro passou como um raio por eles, sumindo de vista. Isabella voltou a respirar normalmente, quase roxa já.

- Ele... sempre... foi tão... calado. - ela balbuciou.
- Vocês achavam que nós tínhamos que papear?

Ele puxou-a novamente e saíram dali, enquanto o coração dela martelava forte na cabeça dele.

- Isso não tem um botão de desligar, não né? - ele perguntou cínico.
Edward e Isabella continuavam descendo, com ela tentando acompanhar os passos rápidos dele.

- Obrigada. - ela disse baixo.

O vampiro a olhou de canto de olho e não respondeu. Aquele som compassado era demais para a cabeça dele. Edward parou no meio do caminho e encostou Swan na parede.

- Isso me tira a concentração. - ele rosnou.
- O que?
- Seu coração batendo.
- Mas... - Isabella puxou o ar. - eu não consigo controlar isso.
- Tente.

Ele a soltou e continuou andando. Como ela poderia controlar o coração acelerado? Swan tentou se acalmar e pensar em coisas tranquilas, mas não deu muito certo. Ela estava nervosa, tensa, com medo.

- Por que tanta implicância com meu coração?
- Porque? - Edward olhou-a rápido e sorriu cínico. - Porque ele está bombeando sangue. E adivinha qual minha bebida preferida?
Swan se esforçou para acalmar seus batimentos. Depois de uns segundos respirando e mantendo os olhos fechados, o seu coração começou a ficar mais devagar.

- Melhorou. - ele falou ríspido e foi andando.

Ela acompanhava os passos do vampiro 6 e observava cada movimento dele. Não entrava na cabeça dela o motivo dele tê-la deixado viva por tanto tempo. Além do mais, tudo em Edward a intrigava e encantava de uma certa forma.

- Posso fazer uma pergunta?
- Não.
- Mas é cois... - ela tentou.
- Não.

Quando eles se aproximavam da entrada de um andar, Isabella viu um vulto correr da escada e passar pela porta.

- Jacob? - ela falou baixo.
- Quem?
- Jacob. Eu vi Jacob entrando lá!

Swan passou rápido pelo vampiro e foi na direção da porta de aço. Ele segurou-a pelo braço e a fez olhá-lo.

- Onde pensa que vai?
- Eu conheço uma pessoa que acabou de entrar aqui!
- Não conhece.
- Me solta!

Isabella se desvencilhou de Edward e abriu a porta, correndo atrás do amigo.

- Jacob! - ela gritou no corredor comprido e a figura masculina lá no final parou.
- Jacob?

Ela se aproximou pelo corredor, enquanto a pessoa continuava parada de costas.

- Você está bem? Sou eu, Isabella. Eu tenho como nos tirar daqui. - ela falava devagar.

Quando Swan encostou no corpo parado, ela notou que a pele do braço estava fria. Ouviu-se um rosnado e ela deu um passo para trás.

- Jacob?

Ele virou de frente para ela, pálido, de olhos negros e dentes afiados. Isabella abafou um grito e virou-se para correr. Ele a segurou pelo pescoço, dando uma gravata nela.

- Não. - pediu enquanto tentava livrar-se de seu braço. - Me solta!

Ele encostou os caninos em seu pescoço, na mesma hora em que Swan via Edward aparecer no corredor. O vampiro 6 chegou tão rápido neles que ela não entendia como era possível aquilo.

- Por que mulher sempre ignora o homem? - ele reclamou enquanto apertava o braço de Jacob.

O loiro soltou Isabella, jogando-a contra a parede e avançou em cima de Edward. Uma luta foi travada, com mordidas de ambos os lados, até que o vampiro 6 travou Jacob por trás e quebrou seu pescoço com força, deixando o corpo cair aos seus pés.

- Podemos ir agora? - ele olhou para Isabella.



<<< Capitulo 4                                                                                 Capitulo 6 >>>

1 comentários :

aah que dó do Jacob :s

6 de dezembro de 2010 21:57 comment-delete

Postar um comentário