AV - Capitulo 3

A pessoa que subia e desceu para ouvir, voltou a subir.

- Boa sorte.
- Não tem como você sair, se subir. - Jessica gritou e Swan a acotovelou.
- Fala mais alto! Eles não devem ter ouvido!
- Desculpe.
- Eu vou descer. Quem quiser vir, que venha. Não vou impedir vocês de seguirem outro caminho. - Isabella começou a descer novamente.
- Eu vou. Você é mais macho do que eu mesmo. - Elliot agarrou o braço dela.
- Também vou. - eles foram seguidos por Jessica, que fazia barulho com seu salto na escada.

Isabella parou um pouco e curvou-se, tateando as pernas deles, até encontrar as de Jessica. Ela puxou uma perna, fazendo a mulher quase cair.

- Ei.
- Tira essa droga.
- É um Manolo!
- Quer que eu enterre-a com eles?
- Ok. Eu tiro.

Eles continuaram descendo e chegaram ao andar em questão. Abriram a porta da escada e entraram no andar. Ali estava mais agradável devido ao fato de que era possível enxergar uns aos outros por causa da luz vermelha. Mas em compensação, era caótico, já que algumas pessoas... estavam mortas.

- Isso é sangue?
- Não. Katchup.
- Ok. Não estou histérico. Não estou. Isso é sangue também?
- Elliot...
- Certo.

Eles andaram pelo corredor e chegaram até o salão principal. Isabella foi até a mesa de controle e abriu uma gaveta.

- Me ajudem a achar o mapa do andar.
- Como ele é? - Jessica perguntou rápido. Swan parou e a olhou.
- É parecido com um mapa! - ela falou ríspida.
- Não precisa ser grossa.

Jessica era uma mulher atraente. Até demais. Em excesso. Alta, loira, corpo esguio, atlético e um pouco mais velha que Isabella. Mas era um pouco tapada.

http://lh3.ggpht.com/lilaliss/R8t9PeZyMuI/AAAAAAAACbE/YQoe9PWxijo/rebecca_romijn.jpg
- Achei! - um grito saiu da boca de Elliot, que balançava o mapa. Swan pegou-o de sua mão.
- Meu Deus, Elliot, você não sabe falar baixo?
- Tipo assim? - ele sussurrou.
- Isso.
- Não. - sua cara de lerdo deu raiva em Isabella, que virou de costas e abriu o mapa em cima da mesa.
- Ok, nós estamos aqui. O arsenal é nessa porta. - ela apontava os lugares com o dedo. - Mas nós vamos ter que torcer para que nenhuma porta esteja com defeito, pois não temos a chave do painel central.

Ela enrolou o papel grosso e colocou no bolso de trás de calça. Aproveitou para tirar o casaco que usava lá em cima na ala fria. Elliot e Jessica fizeram o mesmo.

- Está quente aqui. Como eles conseguem se adaptar tão fácil ao calor? - Jessica perguntava enquanto se abanava.
- Eles estão tipo... mortos, lembra? - Isabella debochou e começou a andar em direção às portas.

Ao chegarem no final do salão e se depararem com a primeira porta de aço, ela digitou sua senha. A porta abriu sem nenhum problema e eles passaram, com Elliot olhando para trás.

- Os de trás sempre são os primeiros a morrerem. Não quero ficar atrás.
- Nós duas votamos e ganhamos, Elliot. Você fica atrás. - Jessica virou para olhá-lo com um sorriso cínico.
- Loira diabólica.

Quando estavam passando por um corredor aberto na direção da próxima porta, uma mão puxou Isabella, tampando-lhe a boca. Jessica e Elliot correram para puxá-la.

- Jacob?

http://sp6.fotologs.net/photo/6/18/54/anyone_/1182722652_f.jpg
Jacob tinha puxado Isabella quando a viu passando. Ele estava com mais duas quatro pessoas ali no corredor.

- Me solta, Jacob! - Swan se livrou dele e ajeitou a roupa, enfezada.
- De nada.
- Por que fez isso? Quer me matar do coração?
- Oh, Swan! - Elliot abraçou-a. - Achei que tivesse morrido e nos deixado sozinhos.
- O que esse idiota está fazendo? - Jacob puxou Elliot pela gola da camisa. - Solte-a imbecil!

Isabella separou os dois e fechou a cara para Jacob. Ela cruzou os braços e olhou-o sério.

- Achei que tivesse conseguido sair. Estava com tanta pressa mais cedo...
- Ninguém saiu. Quem não está morto, está escondido em algum lugar. - ele falou com voz tensa.
- Ok. Preciso ir na sala do arsenal. Nos vemos depois.

Ela virou-se para voltar ao corredor principal, mas ele a segurou pelo braço.

- Não. Tem alguns... por lá.
- Lá dentro?
- Por que acha que eu te puxei? Vocês iam entrar no covil.

Ela parou para pensar, olhando para os rostos assustados ali, encolhidos no corredor.

- É nossa única chance, Jacob. Eu queria pegar os visores de calor. - ela falou e ele a olhou admirado.
- Não tinha lembrado deles. - ele coçou a garganta e sorriu. - Vou com vocês então. Queri dizer, com você. Esses dois vão acabar nos matando.
- Eu não solto dela por nada! - Elliot segurou o braço de Isabella.
- Eu não me importo de esperar. - Jessica sentou.
- Ok, Elliot vem com a gente então, Jacob. - Swan falou enquanto andava, puxando o peso Elliot junto de si.
- Ele pode servir como isca. - Jacob alfinetou.
- Hein? Que isca? - Elliot andava e olhava para os lados, apavorado. - Estão falando de mim? Não, né?

Pararam em frente à porta de acesso e Jacob digitou sua senha. A porta abriu, eles passaram e ela fechou-se. Lá dentro, silêncio profundo.
O silêncio era profundo. Eles deram alguns passos à frente, procurando pela sala.

- No mapa... ela fica no segundo corredor à esquerda. - Swan falou super baixo.
- Ok.

O strês seguiram pelo corredor principal, passando pelo primeriro adjacente e entrando no segundo. Elliot andava e olhava toda hora para trás. 

- Eu vi algo! - ele falou alto.

Eles pararam e viraram para trás, sem ver absolutamente nada. Jacob o olhou feio.

- Eu vi, juro. Um vulto.
- Elliot, não nos atrase... - Isabella pediu baixo.
- Quero voltar. Perdeu a graça... - ele chorou.
- Tarde demais, nenêm. - Jacob falou, dando um tapa na cabeça dele.

Isabella segurou o ombro de Jacob, apontando para uma porta.

- É aquela.
- Certo.

Quando estava próximos, ouviram um rosnado. Eles pararam e encostaram na parede, enquanto Isabella tentava abrir a porta.

- Rápido, Swan.
- Estou tentando. - ela digitava a senha e dava erro.
- Vamos morrer!
- Cale-se, Elliot! - Jacob se irritava. - Swan! Ande com isso.
- Não consigo. Não está aceitando a senha.

E então, na frente deles, um vulto passou e parou. Ele sorriu, abrindo um sorriso, enquanto escorria sangue pelo canto de sua boca.

- Boo!
- Lest-a-t? - Elliot se mijou.
- Calma garoto... - Jacob ia falando devagar enquanto chegava para o lado.
Lestat, o vampiro alto, pálido e elegante, olhou penetrante para Jacob e puxou-o pelo pescoço.

- Não! Solte-o! - Swan gritou.

Ela digitou a senha mais uma vez e a porta abriu. Elliot empurrou-a para dentro da sala enquanto Jacob gritava, sendo arrastado pelo corredor para outro lado, por Lestat. 

- Não. Não... - Isabella chorava sentada.
- Nunca achei que fosse morrer tão novo... 
- Tudo minha culpa. Ele veio por minha causa! - ela falava soluçando.

Elliot tremia encostado na porta, olhando para Isabella. Ela tinha a cabeça apoiada nas mãos, sentada no chão.

- Hã... Swan... sem querer ser chato... mas podemos nos apressar?
- Posso sofrer um pouco, Elliot?
- Ok. Mas é que... eu estou ouvindo uns rosnados lá fora...

Ela levantou a cabeça olhando tensa para ele. Isabella deu um pulo e começou a procurar os visores.

- Estão em algum lugar aqui... me ajude, olhe naqueles armários!
- Os de baixo?
- Todos!
- Marco... - uma voz rouca veio de trás da porta.
- Polo? - Elliot respondeu olhando para Swan.
- Imbecil, não sou eu! - ela falou rápido, aproximando-se da porta.
- Ow... eu brinquei com um vampiro? - Elliot tremia novamente.
- Não temos como sair. - ela falou colando o ouvido na porta.
- Swan... essas portas... são fortes, né?
- São de aço, Elliot.
- Aço... segura eles, né?

Ela o olhou confusa. Mordeu os lábios e olhou de volta para a porta.

- Bem... nunca testamos essas portas. Só... os vidros.
- Bom saber, fico bem mais tranquilo agora!
- Marco...

Swan se afastou da porta e olhou para o teto da sala. Ela puxou uma cadeira e subiu nela, tentando alcançar o teto.

- Elliot... me dá uma mão aqui.

Ele empurrou as pernas dela, que tocou numa abertura do teto, socando um quadrado para dentro.

- Podemos tentar sair por aqui. Mas precisamos achar os visores antes.
- Tenho... claustrofobia.
- Ok, eu vou e você fica.
- Me curei.

Eles voltaram a procurar pela sala, mas não achavam nada. Isabella parou, apoiando numa mesa e baixou a cabeça.

- Já era. Não estão mais aqui... não adianta.
- O que vamos fazer, Swan?
- Voltar.

Elliot subiu na cadeira e pulou, agarrando a borda da passagem, fazendo força para subir o corpo. Quando ele entrou, virou de frente e esticou as mãos para baixo.

- Vem, eu te puxo.
- El-liot! - Swan arregalou os olhos na direção de Elliot, lá em cima.
- N-Nãooooooooooooo!

Ele foi puxado para dentro do tubo escuro.


<<< Capitulo 2                                                                 Capitulo 4 >>>

2 comentários :

aiin quantas mortes o.o
Adorei kkkkkkk'

6 de dezembro de 2010 21:11 comment-delete

Este comentário foi removido pelo autor.

1 de fevereiro de 2011 20:29 comment-delete

Postar um comentário